10 de setembro de 2011

Dons Espirituais

Após um ótimo debate ontem na reunião da Unijovem da SIB Búzios, vale a pena ler e meditar um pouco no texto abaixo. Recomendo uma leitura crítica. Pegue a sua Bíblia e confira cada passagem bíblica citada pelo autor. Ao fim, diga a sua opinião.


Maneiras de Entender os Dons de Sinais


Sinal é uma palavra derivada do termo grego neotestamentário semeion, freqüentemente traduzido como “milagre”. Os dons de sinais são os mais controversos de todos os dons! Isto porque eles envolvem a intervenção direta e sobrenatural de Deus quando são usados. Em geral, Deus opera por intermédio de crentes dotados de maneiras mais naturais. Desta forma, o uso dos dons de sinais não é tão comum quanto o de dons de apoio ou serviço. Assim, os crentes estão divididos sobre se eles são legítimos ou não legítimos hoje em dia.

Os crentes carismáticos afirmam categoricamente que os dons de sinais são ainda válidos. Mas os carismáticos estão divididos entre si sobre outros assuntos que lhe dizem respeito. Alguns crêem que os dons são conferidos por meio de uma segunda operação da graça, e que falar em línguas é a evidência do batismo do Espírito Santo. Muitos dos que sustentam esta posição afirmam que falar em línguas é essencial para a salvação. Isto muitas vezes leva a excessos emocionais e sensacionalismo. Ainda outra posição carismática sustenta que todos os dons são válidos hoje em dia, mas rejeita a idéia de que línguas ou qualquer outro dom sejam evidência do enchimento do Espírito Santo.

Os anticarismáticos sustentam a posição de que nem todos os dons são válidos nos dias atuais. Entendem que os dons de sinais não devem ser exercitados agora. Chegaram à conclusão de que estes dons foram dados à igreja primitiva para validar a autoridade daqueles que tinham o dom. De acordo com os anticarismáticos, os dons de sinais teriam desaparecido no final do primeiro século com a conclusão do Cânon das Escrituras. O texto bíblico usado para justificar esta posição é 1 Coríntios 13.8-10, especialmente o verso 10: “Mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.” Entendem que isto se refere aos dons de sinais e a “línguas” em particular. Entretanto, incluídos na lista de dons que Paulo menciona no contexto da passagem, a par do dom de línguas, estão também o de profecia e conhecimento. Se tomarmos todo o capítulo, o dom de fé seria incluído entre os dons que não mais são válidos. No meu entendimento, “quando vier o que é perfeito” acontecerá quando estivermos com Cristo e “[virmos] face a face”. Agora, “vemos como por espelho”. Esta passagem é equivocadamente aplicada para invalidar os dons de sinais hoje em dia.

Os dons de sinais são válidos hoje, embora não sejam tão proeminentes como nos dias do Novo Testamento. O propósito principal dos dons de sinais era confirmar ou respaldar o evangelho para que se espalhasse e tocasse as vidas das pessoas perdidas. Foi para a confirmação do evangelho que os milagres foram realizados no ministério dos apóstolos. Eles foram realizados por meio dos ministérios de Pedro e João na cura do homem paralítico na porta do templo chamada Formosa, em Atos 3; na ressurreição de Dorcas, em Atos 9; e nos milagres especiais que Deus fez pelas mãos de Paulo, em Atos 20:11. Eles reforçaram a verdade do efeito do Evangelho de Cristo. Porque temos as Escrituras, a necessidade de milagres para confirmar o evangelho não é tão grande hoje quanto naqueles dias. Hoje, temos o cânon das Escrituras completo, e as igrejas se disseminaram e espalharam o evangelho pelo mundo todo. O Espírito Santo está fazendo o Seu trabalho para promover o evangelho de modo a alcançar aqueles que estão sem Cristo. Entretanto, existem ocasiões e lugares hoje nos quais as intervenções miraculosas de Deus ainda se fazem necessárias para o impacto do evangelho. Quando Deus escolhe, Ele traz à tona aqueles dons hoje para a glória de Cristo e a salvação do perdido. Ele o faz por meio das vidas daqueles que Ele escolheu como instrumentos humanos, conforme obedecem a Ele no ministério.

Entender o uso dos dons de sinais é vê-los à luz da Grande Comissão de Cristo. Na apresentação da Grande Comissão em Marcos 16:15, Jesus disse: “Ide por todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura.” Então, Ele disse: “Estes sinais acompanharão os que crerem.” Se obedecermos à Sua Comissão, Ele fará o que for necessário para nos capacitar a levar o evangelho a toda a criatura. Se os demônios se opuserem e se colocarem no caminho, Deus dará o poder para expulsá-los. Se não pudermos nos comunicar com aqueles que necessitam de Cristo, Ele nos dará o poder para tal, mesmo que isto signifique falar miraculosamente em línguas que não aprendemos. Se formos picados por cobras, elas não nos farão mal. Isto aconteceu com Paulo na ilha de Malta (Atos 28:3-7), e Deus o protegeu. Se ingerirmos alguma coisa venenosa ou poluída, Deus nos protegerá. Tem acontecido de missionários de nosso Senhor comerem e beberem coisas que os teriam envenenado, mas Deus os protegeu. Deus fará tudo que for necessário para capacitar Seu povo a levar o evangelho a toda criatura.

Marcos 16 não se encontra nos mais antigos manuscritos do Evangelho de Marcos. Mas, quando é interpretado à luz da ênfase dada por Jesus em Marcos 16:15 (uma apresentação da Grande Comissão), então, e somente então, se harmoniza com o Espírito de Cristo e com o resto de Seus ensinamentos. O problema é que alguns retiram os versos do seu contexto e os usam como base par religiões não-bíblicas. Por exemplo, alguns usam somente uma frase de uma passagem para criar uma religião a partir da regeneração batismal. Outros criaram religiões a partir do falar em línguas, dominar serpentes, etc.

As idéias falsas sobre os dons de sinais e seu mau uso têm feito com que muitos crentes hesitem em aceitar qualquer coisa que afirme ser uma ocorrência sobrenatural. Não podemos cair nestes dois extremos. A chave é o ensino das Escrituras para manter o equilíbrio.

Texto extraído do livro: “Seus Maravilhosos Dons”, de Darrell W. Robinson (Ministério Vida Total da Igreja)

3 comentários:

Anônimo disse...

Oba!!! Terei a honra de ser o primeiro a comentar. kkk

Muito boa a visão do autor sobre os dons, e bem observado a cerca da crise carismática e sua divisão.
Após ter lido mais sobre o assunto e poder analisar o ponto de vista de alguns autores como Charles C. Ryrie, Wayne Grudem e Millard Erickson, gosto da conclusão que a Bíblia nos oferece, que o Espírito Santo distribui seus dons conforme a necessidade da igreja, para a edificação mutua do corpo de Cristo, principalmente através da pregação da Palavra, já que, uma vez o dom de linguá edifica a si mesmo (IICr. 14:1-5), ainda que a palavra usada no texto citado, refere-se a glossolalia Glossolalia (do grego γλώσσα, "glóssa" [língua]; λαλώ, "laló" [falar]). Paulo estava resolvendo um problema doutrinário (se tratando de Conrintos Paulo só descascava pepinos. hehehe)

Meu amado que o Senhor continue abençoando teu ministério!!!

Abraços do teu amigo Diekson!!!

Anônimo disse...

Opisss!!!
Texto errado, hehehe
é ICr. e não IICr.
att

Pr. Ciro Mendes Freitas disse...

Meu querido amigo Diekson, que alegria receber sua visita aqui. Obrigado pela rica colaboração. Seu comentário trouxe um "brilho plus" ao texto publicado!
Volte mais vezes.

Deus te abençoe poderosamente e te conduza em paz e graça!

Forte abraço

Postar um comentário

 
;